Urano e Plutão em Quadratura – Relembrar Quem Somos e a Que Viemos

Urano e Plutão em Quadratura – Relembrar Quem Somos e a Que Viemos

Acho que todos já viram um mapa astrológico. Alguns o olham com se fossem rabiscos sem sentido, outros já reconhecem alguns dos símbolos planetários, outros já conhecem os símbolos e seus significados e outros já conseguem “ler” tudo aquilo com um certo grau de coerência. Enfim, é um papel com uma mandala e acessórios que variam de posição e significados. Urano-sb19

Um mapa astrológico de um indivíduo seria como um instantâneo fotográfico do céu no exato momento em que ele sai do ambiente aquoso do útero materno e executa sua primeira respiração, momento indicador de seu nascimento e início de sua vida independente. Ele agora está envolto em AR, o respira e depende dele para sobreviver.

Sob um outro ponto de vista é o momento exato em que o espírito entra em sincronização com um projeto de vida aqui, na terceira dimensão. Um momento precioso que indica que ele estará por um tempo sujeito às leis da matéria e sujeito, também, ao esquecimento temporário de quem ele é.

Simbolicamente falando ele está sob os domínios de Saturno o representante simbólico da matéria e de tudo que tem forma, tudo que tem limites para que possamos identificá-lo. Uma caixa só pode ser vista e compreendida como uma caixa com seus atributos e utilidades se conseguimos percebê-la. Se ela não tivesse seus limites claros não teria significado para nós. É um exemplo bobinho, mas que dá pra pensar a respeito.

A partir do momento deste nascimento e definição de características físicas, emocionais e mentais, após receber um nome e um sobrenome e referências parentais, somos uma pessoa filha do sr. Tal e sra. Tal, nascidos numa latitude e longitude específicas etc.. Estamos limitados e devidamente identificados.

Aqueles planetas todos que constam no mapa, a partir daquele momento, continuam seus movimentos no céu, cada um numa velocidade particular. Eles continuam a transitar pelo céu, pelo zodíaco.

Uns são rápidos, outros lentos e outros muito lentos. Eles afetam aquele mapa de nascimento a todo momento promovendo oportunidades, muitas vezes através de desafios, mais ou menos intensos. Esta avaliação é individualizada e não cabe aqui pormenorizá-la.

Com um céu bem límpido à noite conseguimos ver até o planeta Saturno, os outros 3 – Urano, Netuno e Plutão – só conseguimos vê-los com o uso de algum aparelho de observação.

Aqui constatamos novamente a função simbólica de Saturno como limite. O que seriam esses outros 3 que estão, simbolicamente também, além dos limites, de nossos limites de percepção?

A astrologia antiga se refere a eles como desgraça à vista, em outros termos, é claro. Inclusive, como Plutão só foi descoberto em 1930, nem era considerado.

Eles são aqueles que nos lembram de tempos em tempos de quem somos na realidade, pois de tempos em tempos eles afetam o mapa de nascimento por trânsito. Tudo aquilo que vivíamos e como vivíamos começa a ficar, no mínimo, insatisfatório.

Tendemos à inércia, é uma lei da vida. Nos acostumamos muito fácil até com aquilo que nos desagrada. Urano, Netuno e Plutão tornam estas situações insuportáveis, eles esfregam algumas verdades e acomodações impiedosamente em nossas caras. Bom, pelo menos é assim que nos sentimos.

Caso não tomemos alguma providência de eliminação do velho para que o novo tenha espaço em nossas vidas, tudo começa a dar errado.

Na verdade o que eles fazem é uma benção. Eu entendo as pessoas como sendo cristais multifacetados, sendo cada faceta um eu, um rearranjo de suas características, todas necessitando de oportunidade de expressão no mundo.

Todos conhecemos pessoas que dizem: “Eu sou assim mesmo, não vou mudar”, mesmo aos 25 anos!

Um dos grandes medos é não sermos reconhecidos pelo nosso grupo de convívio, portanto, não mudamos, não apresentamos novas facetas para que sejam iluminadas e reconhecidas. Tendemos a ficar na zona de conforto, está ruim, mas está bom. De alguma maneira isto pode ser comparado com uma morte, um processo de cristalização totalmente anti-vida.

O que foi bom e útil um dia, numa época, acaba sendo só isto: algo que já foi bom, mas que agora é desnecessário e só serve de estorvo. Facetas nossas também. Éramos muito lindinhos quando cantávamos para as visitas uma musiquinha que tínhamos aprendido na escola. Servia para nos dar confiança em nós mesmos e melhorar a capacidade de auto-expressão. Hoje ficaria muito estranho se fizéssemos isto, ainda mais sob insistência da mamãe. Walk-away1

As forças dos planetas além de Saturno são imensas e seria muito pouco sábio tentar lutar contra elas, para não dizer totalmente inútil.

Em nossa história temos uma quantidade imensa de indivíduos que foram representantes destas forças de transformação para seu tempo. Claro que invariavelmente foram executados pelo sistema, mas suas idéias, suas propostas apareceram tempos depois, bem mais na frente, como inovadoras. E eles de loucos, viraram gênios.

Tanto nas questões que envolvem indivíduos quanto nas questões que envolvem países isto funciona.

Atualmente estamos com uma configuração no céu astrológico, bastante duradoura e, sob meu ponto de vista, fantástica e altamente renovadora. Ela está afetando tanto os indivíduos quanto países e suas peculiaridades políticas e sociais. Ou seja, o mundo como o conhecemos está mudando e vai mudar, não importa o quanto finquemos o pé. Os indivíduos e o coletivo vão mudar. A dor da mudança é a dor de crescimento, como na adolescência. Como humanidade (o coletivo de humanos) estamos passando da adolescência à idade adulta e isto dói.

Por isso a estrutura externa está ruindo e temos que terminar de construir, ou aperfeiçoar, nossa estrutura psicológica individual. Existe contra isto, que é uma necessidade e um fato inegáveis, uma resistência pessoal e uma resistência do sistema.

Se temos medo daquelas imagens de fim de mundo cheias de terremotos, inundações, vulcões e coisas assim, imagens que foram enfiadas em nosso mundo interior por medo, devemos mudar individualmente. Sei que é muito mais fácil continuar com o discurso adolescente e colocar a culpa em algo ou alguém fora de si mesmo. Só que não vai funcionar, não mais.

Nossa crise não é de energia é de VALORES e Urano e Plutão não nos deixarão esquecer disto.

Para entender configurações como esta que está arrepiando a todos, no caso um aspecto de quadratura entre Urano em Áries e Plutão em Capricórnio, devemos nos voltar ao passado. Em primeiro lugar, verificar quando eles estiveram em conjunção pela última vez. Como são planetas muito lentos (Urano demora 84 anos para dar a volta no zodíaco e Plutão demora 278 anos!) eles estiveram em conjunção por anos. Isto aconteceu na década de 1960, com aproximações e afastamento entre eles, mas sempre mantendo uma composição de forças. pluto symbol - zen style

Quem é muito novo não se lembra, pois não havia nascido, mas vale pesquisar os movimentos sociais que aconteceram no mundo naquela época. Mudanças que não tiveram volta, com certeza. Movimentos sociais fortes, incríveis, no mundo todo!

Não querendo entrar em muitos detalhes técnicos, pois não é o objetivo aqui, o momento atual, onde estas duas forças planetárias encontram-se em aspecto muito tenso no céu (uma quadratura crescente), nos afirma e estimula a repensar, reavaliar e lançar novas bases para os movimentos que se iniciaram na década de 1960. E a partir de incremento de novas atitudes pessoais e coletivas cresceremos como pessoas, assumindo nossa parcela de participação neste coletivo de humanos e na criação de uma nova realidade.

O momento pede renovação em todos os setores, uma séria reavaliação de nossos valores e conseqüentes adaptações em nosso quadro de crenças a respeito da vida e de nossa participação nela, com responsabilidade e maturidade.

Retomarei este assunto em outros textos, mas por enquanto fica a dica:

A adolescência acabou.

 

Um abraço intenso e sincero como o momento astrológico pede.

Estamos no mesmo barco.

 

Clo Bassetto

Clo Bassetto é Terapeuta Holística e Corporal, Astróloga, Musicista, Arquiteta (FAU-USP), Radiestesista e Estudiosa de Corpos Sutis e Campos de Energia Humanos. Mestra Orientadora Sênior de Reiki (Mikao Usui – Reiki Association International)

Bookmark the permalink.

One Comment

  1. Maria da Glória Mataveli

    Um abraço mestra querida …com quadradutura mesmooo…kkkk

Comente...