Flores em você! História e Cultura por Trás das Coroas de Flores.

 Flores em você! História e Cultura por Trás das Coroas de Flores.

Etéreas,coroa flor 03 altivas e encantadoras, as coroas e guirlandas de flores tiveram popularidade em muitas culturas desde a Antiguidade.

Para os gregos e romanos, as coroas e guirlandas de flores eram muito importantes, sendo comum contratar serviços de floristas especializados para as manufaturarem. Serviam para homenagear deuses e heróis ou para criar determinada atmosfera, especialmente em festividades e celebrações.

As guirlandas eram usadas tanto para decorar ambientes quanto para adornar pessoas. Quando uma criança nascia, pendurava-se uma guirlanda na porta, costume que perdura até hoje. Em casamentos faziam seu papel decorativo. E em pessoas, eram colocadas sobre seus ombros ou tórax como adorno.

Comumente, além de pessoas, as estátuas também eram enfeitadas com coroas ou guirlandas de flores. Quem as usava eram pessoas de destaque social, como atletas, poetas, líderes populares, soldados e marinheiros. Poderiam ser feitas de flores, folhas, frutos ou ervas.

Tipos de coroas, guirlandas e arranjos:

-Honraria: Corona cívica – coroa de folhas e bolotas do carvalho (Quercus).

-Divindades: Corona radiata - Laurel (coroa feita com folhas de louro).coroa flor 05

-Nascimentos: Corona natalitia –Coroa de loureiro (Laurus), Hera (Hedera) ou Salsa (Petroselinium crispum).

-Dionísio/Baco: Corymbus – guirlanda de frutos, folhas e botões de hera.

-Decorativas: Encarpa – Arranjo com flores e frutos.

-Festivais, templos, eventos religiosos e residências: Serta – Guirlanda de flores variadas.

 

Os Egípcios, por sua vez tinham crenças religiosas baseadas em fertilidade e eram associadas ao campo, manifestando em suas obras de arte e religiosidade o uso de flores. A flor de lótus, ou lírio-dos- lagos, cujos simbolismos são nascer para o divino, crescimento espiritual e pureza, associam-se à deusa Ísis e também ao deus Sol Ra. Pois suas pétalas se fecham à noite, mergulhando embaixo d’água e ao amanhecer emergem, assim como o Sol ressurge ao amanhecer. Esta flor sagrada era pintada em túmulos, levada em procissões religiosas e usada sobre o peito ou cabeça como tributo. Malvas, papoulas e açafrões eram usados em guirlandas mortuárias, penduradas nas múmias como preparação para próxima vida.

Na China as coroas de flores de laranjeira eram usadas pelas noivas simbolizando pureza, castidade, inocência e fertilidade, pois curiosamente é uma planta, dentre poucas, que produz seus frutos e flores ao mesmo tempo. Na época das cruzadas este costume foi levado para a Europa, tornando-se popular.  E foi na era vitoriana que surgiu a expressão “apanhar flores de laranjeira” significando que o homem estava à procura de uma esposa.

O Havaí é famoso por suas coroas e colares de flores, que são feitos principalmente de materiais naturais, como flores e folhagens regionais, sementes, conchas, ossos e dentes de animais e penas. Ou também de materiais como tecidos, flores plásticas, papel, doces etc. Esses adornos são conhecidos como lei e há por volta de oito maneiras de se confeccionar, sendo que cada uma delas leva um nome específico. Estão associadas aos deuses e possuem diversos significados, são usadas em celebrações, festejos, datas comemorativas ou oferecidas como presente. Há muitos costumes e protocolos para o uso destas, atualmente ao receber uma lei, recebe-se também um beijo no rosto. Este hábito iniciou-se na Segunda Guerra Mundial.  Na tradição não se joga fora uma lei, é preciso que a retorne onde lhe foi dada. Caso não seja possível, é recomendado a devolver para a natureza, seja pendurando em uma árvore, enterrando, ou queimando.  Pois ao jogar fora, simboliza que está sendo jogado fora o amor que recebeu de quem o presenteou. Além de simbolizar o amor, existem muitas outras associações tais como, afeição, amizade, cumprimento, despedida, boas- vindas, reconhecimento e apreciação. Na Polinésia esses costumes também existem havendo algumas diferenciações e variações.

Com a Idade Média, as guirlandas e as coroas de flores caíram em desuso, pois eram ligadas a ritos pagãos, o que para a Igreja era considerado blasfêmia. Houve uma pausa nos registros artísticos florais neste período, e as plantas ficavam limitadas nas paredes dos mosteiros e jardins particulares, o motivo era que os senhores feudais não precisavam de jardins, mas de campos de treinamento, e com isso os jardins e suas flores apareciam pouco em espaços públicos, e estas formas de arte ficaram limitadas à Igreja ou aos apreciadores ricos.

O Renascimento introduziu as flores nas artes para representar ideias abstratas como pureza, amor, humildade e sabedoria. A associação entre as flores e a religião veio da necessidade de empregar imagens simbólicas, assim sendo, através da simbologia das flores, os iletrados eram capazes de compreender uma pintura ou as estações do calendário religioso, observando quais flores eram colocadas ou representadas. Portanto as flores associadas aos deuses da Antiguidade foram adaptadas ao cristianismo, como por exemplo, Santa Cecília que tem uma coroa de rosas, e dentre muitos outros mártires e santos. No início da Renascença as flores eram usadas para prestar homenagem a Deus, por isso faziam parte da decoração da Igreja. Crianças usavam coroas de flores com minúsculos botões de flor para representar a juventude e a amizade.

Na era vitoriana todas as damas ricas, conheciam o simbolismo das flores, faziam ramalhetes e buquês. Além da admiração estética, havia um sentimentalismo por elas. Havia inclusive um manual popular para interpretar as flores. Lady Mary Wortley Montague escreveu um livro apresentando mais de 800 significados florais para homens e mulheres. A rainha Vitória também colocou em moda a coroa de flores de laranjeira ao usá-la em seu casamento com príncipe Albert em 1840.

As coroas de flores Ucranianas, conhecidas como vinok, são usadas por mulheres que desejam se casar e também fazem parte de uma vestimenta tradicional folclórica. Durante as cerimônias de casamento, casais após terem confirmado seus votos, levam no topo de suas cabeças uma coroa feita com pervinca e mirto. As coroas de flores também são comuns em festivais e ocasiões especiais.

Na cultura hippie a coroa de flores, tornou-se muito popular e era um dos seus símbolos mais conhecidos. Estava associada à paz e ao amor e a todo seu movimento e ideal. Cooperou em trazer de volta a moda das coroas de flores em casamentos.

Desde então a moda fez uso destes maravilhosos acessórios, trazendo releituras em estilo, porém mantendo suas raízes em significados. E com essas inúmeras possibilidades em criar estilos, brincar com suas formas, cores, aromas, significados e materiais, fica divertido compor com autenticidade e personalidade nossos próprios looks. Mãos à obra!

coroa flor 15

coroa flor 14

Bacharel em Letras, empresária e professora de língua Inglesa, amante de danças e estudiosa em moda de diversas culturas. Está aqui para apresentar novidades e dicas de moda, principalmente relacionados a acessórios e amuletos, e sua relação com a espiritualidade. É fundadora e designer da empresa de acessórios Etherea Bijoux

Bookmark the permalink.

Comente...