Chacras e a Depressão – Foco nos Chacras Genital e Umbilical

Chacras e a Depressão – Foco nos Chacras Genital e Umbilical

Vamos falar um pouco mais sobre a depressão.

Já pensaram que Impotência e Depressão são faces de uma mesma moeda e que é possível e provável que isto vire um ciclo vicioso?

Não dá para tratar só um lado da moeSvadhisthana-chakrada.

(Este é uma continuação de uma série de textos. Confiram a primeira parte no link http://lughnasadh.com.br/chacras-e-depressao-foco-em-chacra-basico/ )

De onde vem esta impotência que nos faz desligar da realidade por ser ela grande demais para nossas forças?

Experiência de vida? Cópia de comportamento dentro de um grupo de convivência? Afirmações negativas vindas de autoridades em nossa infância? Não administrar tristezas e não admitir que elas existem e existem para todos?

E quanto àquela imagem de vencedor sem mácula, sem cansaço, sempre alerta, imagem esta que impossível de ser alcançada e que nos é imposta dia a dia sem que tomemos consciência do fato?

Sempre lindos, sempre sorridentes, dentes azuis de tão brancos, corpo com determinado formato, mesmo que este não seja seu biótipo, como se isso fosse bonito e saudável…..

 

Somos pegos em inúmeras redes de pensamento e de emoções sem que isto passe por qualquer sistema de detecção. Vai entrando e se instalando…..

Uma situação difícil de sair. Remédios remediam, mas a sensação de não ser suficiente está lá.

Aí é que entram os benefícios de um tratamento energético.

Todos nós temos um sistema de captação e de transformação de energia em nosso campo pessoal. Todos. São nossos chacras.

São vórtices dentro do campo de energia (aura) que captam energias de muitos graus de sutileza, transformam estas energias conforme elas serão usadas levando-as na medida certa em qualidade e quantidade onde ela é necessária, até chegar no corpo físico. Isto é um resumo bastante simplista, mas é mais ou menos isto.

O campo de energia de cada um é um contexto dinâmico com uma infinidade de padrões de energia se movimentando incessantemente.

Cada redemoinho podemos dizer que é um chacra.

Vamos abordar apenas os chacras magnos em número de 7. Existe uma infinidade de outros de tamanhos e funções diferentes.

segundo_chakra

No sistema de chacras magnos existe 2 vórtices um no alto da cabeça e outro que emerge no final da coluna e mais 5 pares que giram ancorados ao longo da coluna. 5 virados para frente e 5 virados para trás.

Aquele do alto da cabeça, o Chacra Coronário, nos liga e nos ancora às forças cósmicas; o do final da coluna, o Chacra Básico, no liga e nos ancora às forças telúricas, à Terra e à nossa realidade.

Os outros 5 pares podemos dizer que são chacras de relacionamento, cada um administrando um nível de relacionamento.

 

Este aparato de captação de energia deve funcionar como um sistema e não como entidades isoladas. Não existe isto de: “ai, meu forte é meu chacra larígeo…”. Ou todos trabalham cooperativamente ou não há saúde física, nem emocional e nem mental.

Conteúdos que nos trazem emoções desconfortáveis e conflitantes geram desequilíbrio em um ou outro captador e o sistema passa a não funcionar como deveria. Geralmente a deficiência de um promove o aumento de função em outro (s).

Como disse anteriormente, o chacra básico invariavelmente está aquém do funcionamento ideal num deprimido. A sensação de desconforto que a realidade promove lá dentro aparece como um inimigo real, mesmo que sejam somente coisas do imaginário. Acaba sendo real. A imaginação é uma das nossas mais poderosas ferramentas.

Em nossa cultura, gradativamente a imaginação foi, e é, tratada como coisa de criança, algo que não cabe numa vida adulta. Usa-se muito pouco, exercita-se muito pouco e ela é acaba sendo uma ferramenta fraca, porém vital.

Como fraca quero dizer suscetível. Na grande maioria das pessoas a imaginação pode ser, e é, moldada de fora, criando-se num indivíduo necessidades que não são dele. São processos não conscientes que nos levam a ficar inseguros perante um grupo, por exemplo, sem causa aparente. Este nossos processos são facilmente manipulados. Existem pessoas que são mais suscetíveis e outras que são menos.

Estamos falando aqui do Segundo Chacra que é o captador/transmissor de emoções básicas.

É o chacra do instinto, da ligação magnética, da empatia e da auto-estima.

O funcionamento deste chacra está ligado intimamente à nossa criança interior com toda sua criatividade, alegria sem motivo, bom apetite, curiosidade e avaliação da realidade em termos de gosto – não gosto,  sem explicação e nem justificativa. Só que quando estamos em uma enrascada quem nos livra não é nossa cabeça, ela ajuda, mas sim esta criança. Se bem alimentada nas suas necessidades do gosto/não gosto ela responde prontamente propondo saídas não usuais, por exemplo. Ela cria. É como se pegasse matéria emocional da realidade ao redor e moldasse sugestões.

Quando o medo que já desorganizou o chacra básico fala mais alto este chacra genital também se desregula. A auto-estima vai lá para baixo, ficamos inseguros nas nossas avaliações sem sentido. Vamos perdendo o feeling e desconfiamos de nossas reações instintivas.

Na seqüência o Terceiro Chacra, o Umbilical,  também sofre uma baixa no funcionamento. Ele está vinculado à nossa auto-expressão e ficamos inseguros sendo nós mesmos. É como se não fôssemos suficientes.

O medo que aparece aqui é diferente do medo associado ao chacra básico. O Medo básico implica em uma ameaça real e detectável onde encaramos ou fugimos correndo, a tal situação de luta ou fuga, que é ultraplausível e saudável. Se tivermos músculos, treino e foco, nos safamos de uma maneira ou de outra, ou enfrentando ou correndo muito.26e1_4604

O medo relacionado com o terceiro chacra é o medo de não ser suficiente, é um medo imaginário onde nossa capacidade perante o desafio não é clara. Desconhecemos nossas forças e duvidamos delas.

O comprometimento é fisicamente visível chegando aos órgãos da região. A pessoa simplesmente não consegue digerir, falta energia nesta caldeira. Não digere a situação e a vida e passa a não digerir alimentos também.

É comum num deprimido a falta de apetite, digestão lenta, falta de libido e gradativo desinteresse pela vida.

Os tratamentos convencionais cuidam de um lado da moeda.

E do outro?

Uma situação de saúde precária, como é o caso, não aparece do dia para a noite. Leva anos, décadas… Então, o paciente deve procurar ajuda para regular a questão energética do seu caso e entender que isto pode levar algum tempo para descristalizar, criando novos hábitos, novas perspectivas, colocando os pés no chão e acreditando na vida que está sempre a nosso favor.

Não encare desafios como castigos. Conheça-se melhor, tenha noção de suas forças, mude sua estratégia e não ligue para a torcida. Ninguém pode conhecer você melhor do que você mesmo. E ninguém vai resolver seus problemas, podem ajudar, mas você é o centro da sua realidade – o comando é seu.

Mantenha seus chacras funcionando direito com exercícios ao ar livre, trabalho de consciência corporal, respirações, boa alimentação, sol, bom humor, boa companhia e gente que tem a ver com você.

E, se precisar, busque orientação de alguém que seja da área.

 

Um abraço

Clo Bassetto

Clo Bassetto é Terapeuta Holística e Corporal, Astróloga, Musicista, Arquiteta (FAU-USP), Radiestesista e Estudiosa de Corpos Sutis e Campos de Energia Humanos. Mestra Orientadora Sênior de Reiki (Mikao Usui – Reiki Association International)

Bookmark the permalink.

Comente...